quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Faz sentido?

Faz sentido desistir de tudo o que acredita porque os outros te dizem que não é o certo? Faz sentido não sonhar com os seus planos com medo dos outros te criticarem? Faz sentido parar de ser o que você realmente é e fingir ser outra pessoa só para bajular os outros? Tudo isso faz algum sentido? Mas o que importa o que as outras pessoas pensam? O que importa se as pessoas te criticarem? O que importa o que as outras pessoas pensam de você. O que realmente importa é o que você pensa de si mesmo, pouco importa os outros. Enquanto eles te criticam, você vai fazendo sua história, e carregando o seu final feliz.

Aviso.

Gente, eu andei um tempo longe mas agora vou retomar meu trabalho no blog. Eu estava sem pc mas agora estou aqui xD, mas eu não vou ficar escrevendo sempre, como eu fazia antes. Porque eu estou escrevendo um livro *OOOOO* enfim espero que não me abandonem meus amores ♥

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Arrependimentos


Você já fez coisas que se arrependesse? Já fez coisas que lamentou tremendamente? Já fez coisas que decepcionassem outras pessoas? Já fez coisas que te fizeram chorar? Sofrer? Já se arrependeu de amar? Já se arrependeu de querer? Eu já me arrependi de muita coisa, mas se eu pudesse voltar no tempo, faria tudo de novo porque foram esses erros que me fizeram aprender até chegar onde estou.

sábado, 12 de setembro de 2009

Por favor não me diga


Não me diga que esse mundo que vejo pela minha janela é real, um mundo onde ninguém mais vê o rosto de ninguém. Onde ninguém respeita ninguém.Um mundo com belezas imensas, mas que está desmoronando por nossos pés. Um mundo no qual ninguém acredita em ninguém, onde você tem medo de sair pelas ruas. Um mundo cheio de mentiras, violência e ódio. Um mundo onde as pessoas estão se transformando naquilo em que mais odeiam, e quando isso acontece, é muito difícil voltar atrás. Eu estou tentando fazer a minha parte e você ?

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Um novo amor


“Quando você ama mais do que deseja, as coisas saem do sem controle”
Rayssa Façanha.

Me olhei no espelho, estava com uma expressão terrível, misturada com sono e outras coisas que eu mesma não identificava, como eu fui me apaixonar logo pelo meu melhor amigo? Como eu pude fazer isso comigo? Eu fiquei doida de vez, essa é a única explicação pelo que eu faço.
Mas eu não tenho culpa daqueles olhos azuis me tirarem o fôlego toda vez que os vejo, eu não tenho culpa de todos os pelos do meu corpo se arrepiarem quando ele me beija no rosto. Alguém já parou pra pensar que isso é uma reação involuntária e eu realmente não tenho culpa alguma disso?
Abri a torneira molhei minha mão e depois molhei meu rosto. Mesmo depois disso o meu rosto continuava com a mesma expressão. Droga.
- Vamos, Natasha. Você não pode passar o dia todo dentro desse banheiro – escutei gritarem.
- Já vai. – respondi.
Saí do banheiro olhando para o chão.
- O que você tava fazendo lá dentro que demorou tanto? – O Nando perguntou brincalhão.
- E se pergunta uma coisa dessas pra uma garota? – respondi sorrindo, na verdade eu não tava com a mínima vontade de sorrir. O que eu queria mesmo era dar meia volta, ir para casa e me enfiar na cama.
- Ta ok senhora – ele ainda estava brincando, ele sabia que eu não gosto quando me chamam de senhora.
- Humpf – resmunguei silenciosamente – Sabe, se você continuar com essas brincadeirinhas o dia vai demorar uma eternidade.
Ele riu.
- Ei eu tava pensando. Você quer ir ao cinema? – Ele me perguntou.
Ótimo, eu tava precisando mesmo disso.
- Claro, eu vou chamar o resto do pessoal.
- Bom, na verdade Nat. Eu tava pensando em irmos só nós dois. Topa? – Ele estava ficando vermelho, senti o sangue correr para o meu rosto, eu também estava corando.
Meu coração começou a disparar, minhas pernas começaram a ficar bambas, a qualquer momento eu iria desmaiar, típicos sintomas de amor.
- Ér, só você e eu? Isso?
- Sim, só nós dois, você entendeu.
Porque que ele estava pedindo pra irmos sozinhos ao cinema? Será que ele gostava de mim? Não, obvio que não. Eu já estou começando a criar coisas com essa minha imaginação super fértil.
- Certo, pode ser – falei ainda corada, e com o coração ainda latejando.
- Okay então – ele falou parecendo aliviado – Ah, e deixa que eu pago ok?
- Ah c-certo – gaguejei. Que ridículo.O sinal tocou ele se virou e falou:- Sábado, às três horas, eu te pego na tua casa, ta marcado?
- Ér, claro.
Ele saiu correndo. Já estava atrasado para a aula. E eu também.

sábado, 8 de agosto de 2009

Esquecer


É dificil, esquecer um amor. E quando se pede? Se pede com toda a sua força, se pede com todo o seu ser, será qe o amor vai sair de você? Será que você mesmo tentando esquecê-lo consiguirá? Será mesmo que é forte o suficiente pra expulsá-lo de sua mente? E mais importante, será que é indestrutivel pra tirá-lo do seu coração ?

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Selos again ♥

thanks meninas por esses selos :D'

1º ) Mais um selinho; *0*Obrigaada laiane - http://nothingelseicansaay.blogspot.com/

Regras:

1- Exiba a imagem do selo "Olha que blog maneiro".

2- Poste o link do blog que te indicou. http://nothingelseicansaay.blogspot.com/

3- Indique 8 blogs de sua preferência. ( bom. eu não tenho 8 blogs para mandar então :D')


http://nomeuporao.blogspot.com/ - Day D ( amo muuuuuito as histórias dela, e sim. ela j´foi blogueira da vez. uma coisa que eu espero ser também *O*)




http://tubaiina.blogspot.com/ - Tubaiina :D (CONFIRAAAAAM)

4- Avise seus indicados.

5- Publique as regras.

6- Confira se os blogs indicados repassaram o selo e as regras ( sim senhora)

2º) Seu blog é Roxie

1 - Exibir a imagem do selo "Seu blog é ROXIE!" e escrever essas regras abaixo dele



2- Colocar quem te deu o selo nos seus blogs indicados (amigos) -



quem me deu foi a http://tubaiina.blogspot.com/ - Tubaina *OO*:) e a http://viagensdeumpensamento.blogspot.com/ - Vivianzinha linds

3 - Escrever 5 coisas que são ROXIE (1ª sobre música, 2ª sobre televisão e cinema, 3ª três países que gostaria de conhecer, 4ª três cores favoritas e 5ª três hobbies):



1 - musica é tudo, não consigo viver sem ela, musica simplesmente entra na sua alma e não sai mais, com a musica sua alma se liberta, sua vida fica mais leve, e o mundo mais colorido, sem a musica eu não seria nada :)



2 - Bom, adoro séries. Principalmente legendadas, como Two and a half man, Friends, The Ex-list, Mental, True Blood, Gossip Girl, 20210 e tal. Também amo animês e novelas ( sim, eu sou uma noveleira). Am0 filmes de comédia, adoro rir quem não gosta né ? Mas tipo, tem que ser um filme engraçado sem apelar pela pornografia, porque aí o filme fica terrivelmente carregado, porque teve que apelar para isso.



3 - Australia

Grécia

França

Japão

Inglaterra

( não dava pra escolher só 3 8D)



4 - Lilás

Preto

Azul -claro



5 - escrever *O* (agora estou escrevendo um livro), tocar violão, cantar -q, dançar, surfar, jogar basquete



4 - Indicar 10 blogs que você ache ROXIE

http://bateuasasevoou.blogspot.com/ - ela bate asas e voa *O*






indiquei 5 *-*



3º) A dona desse blog é uma fofa *O*


- Linkar quem te indicou - foi a létyh kiss -Q http://capitch.blogspot.com/
- Postar o selinho


- Passar o selinho p/ 5 amigas e avisá-las


- Responder estas perguntas :
1- Mania: comer chocolate *O*


2- Pecado Capital: Gula e preguiça, hoje eu dormi a tarde toda x_x'
3- Melhor cheiro do mundo: cheirinho de livro novo *O* sou gamada nesse cheiro



4- Se dinheiro não fosse problema, eu faria: compraria uma guitarra faria uma piscina em casa e ajudaria quem precisasse *-*


5- Casos de infância: cair, eu SEMPRE caia quando pequena, agora não mudou muita coisa x_x'
6- Habilidade como dona de casa: Acredita se eu disser que não faço NADA dentro de casa? Tipo, eu arrumo minha cara e meu armario, serve?

7- O que não gosta de fazer em casa: lavar a louça, coisa que minha mãe pede para eu fazer de vez em quando

8- Frase: Um herói é uma pessoa comum que teve coragem o bastante para enfrentar os obstaculos da vida ♥

9- Passeio para o corpo: Nadar *-*

10- Passeio para alma: escrever e escutar musica

11- O que me irrita:Falsidade e pessoas que se acham mais que as outras, DETESTO esse tipo de gente oó

12- Frase ou palavra que fala muito: liberdade (tem palavra melhor?)

13- Palavrão mais usado: Porra. Tô tentando parar de falar palavrão

14- Desce do salto e sobe o morro quando: Quando vejo alguma injustiça. Por favor saia de baixo XD'

15- Talento oculto: Dançar :)

16- Não importa que seja moda, não usaria nem no meu enterro: Blusa colada no corpo, cara, eu não sou tão magra para isso.

17- Queria ter nascido sabendo: Quimica. Odeio quimica, me diz quem inventou a quimica para eu esganar u_ú

Repasso para:
As minhas lindas que eu passei os outros selos, considerem-se seladas -Q (êta preguiça hm.)

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Senti sua falta


Ela estava sentada ali, e o tic tac do relógio não parava, ele estaria chegando em poucos minutos e ela nada poderia fazer, era tão inútil ficar parada ali, mas o que ela poderia fazer? Sair correndo? Não, isso não era uma opção. Ela estava obrigada a ficar ali sim, mas uma parte da sua mente queria ficar lá, queria vê-lo novamente, só mais uma vez.

Fazia dois meses que ela tinha partido, dois meses de puro sofrimento, pensando nele em todo o tempo, em cada pensamento ele vinha-lhe a cabeça. Era horrível e ao mesmo tempo um alivio não vê-lo todo o dia. Horrível porque por mais que ela tentasse não conseguia esquecê-lo, ficou com outros garotos, beijou outros lábios mas nada sentiu, porque seus lábios ansiavam pelos dele. E um alivio porque por mais que estivesse perto dele, nada mudaria, não poderia fazer nada, e isso, era uma grande tortura.

Agora eles estavam mais velhos, ela já tinha feito dezesseis e ele dezenove, mas mesmo assim, a diferença de idade era muito grande, mais do que isso, era imensa.

Ela tentou se mexer, mas para sua surpresa não conseguiu, parecia que seu corpo se recusava a tudo que a levasse pra longe dele, parecia que toda a célula de seu corpo sabia que ele estava a caminho, porque a cada medida ela se sentia melhor, como se fosse começar a flutuar a qualquer minuto.

Lembrou-se então do ultimo dia que esteve junto a ele. Ela estava na sala de estar sozinha, todos tinham saído para um ultimo passeio pela cidade, mas ela não quis ir, estava cansada de toda aquela gente rodeando-a, aquilo a sufocava mais do que aos outros, sempre foi uma garota solitária, não gostava de todas as atenções voltadas para ela.

A companhia tocou, ela sentiu seu corpo gelar no mesmo instante, afinal, quem poderia ser? Todos estavam passeando e demorariam horas para voltar. Foi até a porta lentamente, observando tudo com muito cuidado, era a ultima vez que veria aquilo tudo. Abriu a porta igualmente devagar, não tinha nenhum motivo para ter pressa hoje, nada aconteceria.

Ele estava do outro lado da porta, esperando alguém atender, parecia não ter ninguém em casa, até que ele viu um vulto se aproximando, parecia uma garota. “Será ela?” pensou ele “ Não, não pode ser, ela foi ontem” pensou na partida dela com uma imensa tristeza, não queria que ela tivesse ido. “Seu bobão, você não devia ter deixado-a ir”. Mas seus pensamentos foram interrompidos quando ele viu quem estava do outro lado da porta. Era ela.

Ela estava linda como sempre, e ela não se esforçava pra ficar linda, vestia um blusão do Linkin Park com um short minúsculo, o cabelo preso com uma piranha. Ela devia ter acabado de acordar, porque aquela era a roupa que ela dormia, no mesmo instante que ele a viu seu rosto se iluminou.

Ela ficou lá parada sem saber o que fazer, e soltou:

-Oi, desculpa, mas não tem ninguém em casa.

Ele riu

-E você não é ninguém, menina?

-E-eu? Claro que sou alguém. – respondeu ela

- Então pronto – Sorriu

Ela desmoronou como sempre com o sorriso dele, mas não foi só isso, ela adorava quando ele a chamava de menina, era tão doce e carinhosa a forma com que ele falava, era como se ela fosse a menina dele.
- Seja bem-vindo – Gritou alguém que estava na sala, fazendo-a voltar para o presente.

E lá estava ele, lindo como sempre, fazendo-a deslumbrar a cada olhar, a cada sorriso, como ele sempre fazia, fazendo-a derreter por dentro como uma geléia.
Ela se aproximou dele, com as pernas bambas de tanto ficar sentada, foi um gesto involuntário, seu corpo foi sem o comando de sua mente. Ele a viu se aproximando e sorriu, ela parecia mais madura do que na ultima vez, mais mulher.

Ela sorriu de volta, e continuou andando em direção a ele, até que chegou bem perto e sussurou:

- Bem-vindo – foi um sussurro muito baixo, e só ele entendeu

- Obrigado – Sorriu

Em um gesto repentino ele abraçou-a com força e beijou sua bochecha, no meio de todos.

- Senti saudades – sussurrou ele no ouvido da menina

- Eu também – Respondeu ela.

sábado, 11 de julho de 2009

Férias :D' - real life

Quem diria que ontem, dia da prova de história seria um dia de tantas emoções? Desde alegrias imensas até tristezas horrendas, mas não quero falar da segunda :) enfim, tudo começou ante-ontem tipo eu passei o dia estudando história e quando foi seis horas da noite eu comecei a me desesperar. Tipo, dá um ataque basico que praticamente todos têm na prova que você tem mais dificuldade sacas ? Então minha mãe me forçou a tomar um banho e a sair de casa. O que foi bom já que eu saí um pouco de desestressei, essa palavra existe? Enfim se não existe eu acabei de inventá-la. Então ontem de manhã foi o dia da tão temida prova de história que fez eu ter um chilique basico como eu já disse antes. E, por incrivel que pareça, a prova estava fácil, não digo FÁCIL facílima porque eu tive que fazer umas questões pelo chutometro, mas as questões descritivas eu realmente sabia, o que era incrivel, porque já virou até tradição eu deixar pelo menos uma questão em branco todas as provas -q. Então no meio da prova o meu celular toca no meu bolso, eu tinha esquecido de desligar, eu jurei que mataria a pessoa que estivesse me ligando. Então eu pedi pra professora que estava monitorando a prova pra segurar meu celular, foi nessa hora que eu gelei bem geladinho mesmo, como eu sempre digo: virei cubinho de gelo, eu pensei que ela fosse tomar minha prova, mas ela segurou meu celular :D' sabe aquele alívio instantâneo que dá? Poisé foi essa a emoção! Depois de terminar a prova em 49 minutos contados no relógio eu saí da sala e fui na cabana de livros pra alugar alguns, coisa que já virou tradição no ultimo dia de aula, foi lá que eu encontrei a Vivian, ae depois de algum tempo nós fomos lá pra fora do colégio e a Letízia tava lá. Eu tive um piripaque faziam seis meses que eu não via a Létyh, e tipo eu tava com umas saudades monstras dela *-* depois de tiradas as saudades a gente ficou andando pelo colégio contando as novidades pra ela. Até que a Vivian encontra um bando de guri e foi lá falar com eles. Então eu e a Létyh fomos ao vestiario da piscina para eu poder me trocar em paz. Chegando lá vimos coisas que não queriamos, tipo, tinha um menino se vestindo na porta. E aquilo não era coisa pra se ver. Nós saimos praticamente correndo. Depois a Létyh e eu fomos pra casa da Vivian. Pulando uma parte da tarde que nada interessa a Fabyanne chegou, passamos um tempo lá na casa da Viih e depois fomos pro Pão de Açucar, parecendo quatro malucas, mas não importava, eu estava com as minhas amigas que eu amo mais que tudo! Chegamos ao mercado e compramos sorvete, mm's e biscoito, e comemos tudo juntas em 5 minutos. Quando a Létyh ia embora todas nós fomos deixá-la no ponto de ônibus, mas na hora de fechar a porta a gente não conseguia mais abrí-la, nós tivemos que pedir ajuda ao tiozinho da sorveteria ao lado -q e finalmente ele conseguiu abrir a bendita porta, eu e a Faby achamos melhor ficar em casa mesmo enquanto a Vivian ia com a Létyh até o ponto de ônibus, quando elas voltaram a gente comeu pipoca! :D' e ficamos no computador. Ou seja eu amei o dia com essas pessoas que eu amo! ♥ Essa foi uma história real, de uma garota real. FIM :D'

domingo, 21 de junho de 2009

Não acredite

Não acredite em contos de fadas. Não acredite em principes encantados. Não acredite em um mundo melhor. Não acredite em poderes magicos. Não acredite que você pode mudar um mundo. Não acredite em princesas encantadas. Não acredite que sonhos viram realidade. Não acredite em sapos virando lindos principes e te pedindo em casamento. Simplesmente, não acredite. E quem são as pessoas para dizer no que você deve ou não acreditar? Quem são esses que nem te conhecem e vão te criticando pelo que você acredita? Quem são eles para ditar as regras da sua imaginação? Eu te digo o que eles são, NINGUÉM. Eles não podem te dizer o que fazer muito menos no que acreditar. Acredite em que quiser, faça o que quiser, sonhe o que quiser. Porque você está no seu direito, seu direito de acreditar. Simples

selo :D'

aeae um selo *O* que FILICIDADE /mateioportuguês - FATO
Regrinhas -q:
1)Falar o blog que te mandou:
2) Responder as perguntas:
a) Falar cinco coisas que você JÁ mordeu:
1- a minha irmã (pra você vê como nós brigamos feio)
2 - a ponta do meu lápis ( quando não tem nada pra fazer na aula :D)
3 - comida dã.
4 - a minha lingua ( e doeu MUITO mesmo - FATO)
5 - meu dedo ( mania minha :O)

b)5 coisas que você NUNCA moderia:
1 - o meu dedão do pé (eca)
2 - a mão de alguém ( vai lá saber por onde ela andou )
3 - uma faca ( eu também não sou idiota de morder uma faca né ¬¬)
4 - meus primos ( eu não me lembro se já mordi algum deles, mas se mordi juro que de agora me diante não mordo mais )
5 - um aparelho movel de outra pessoa ( me arrepio toda só de pensar nisso -eca )

c)5 coisas que você QUER morder:
1 - O Raito (do death note quando ele tá bonzinho, sou gamada nele)
2 - O Uchiha Sasuke (ele é super sexy (66 do Naruto)
3 - O Robert Pattinson (meu idolo povo *O*, mas ae eu seria só mais uma fã maluca tentando literalmente arrancar um pedaço dele - FATO)
4 - Os braços do Taylor Lautner ( gzuis me abana que homem é esse *-* )

5 - Um tal garotinho ae ( zuei/ou não O:)
3) Repassar para 3 blogs:
não tem como eu colocar só pra 3, então vão ser 4 *O*

http://avenidavinte-e-dois.blogspot.com/ - As maravilhas do país de Alice




--------------------------------

Brigada Létyh, amei mesmo *O*

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Uma pequena história de terror

Era uma noite chuvosa. Não, era muito chuvosa, uma tempestade daquelas que parecem que o mundo vai acabar, com direito a raios e trovões, mas eu não me incomodava com isso, estava com o meu casaco com o capuz levantado um par de jeans e o meu all star.

Eu estava correndo, provavelmente para escapar da chuva, daquela ventania toda, mas eu não conseguia encontrar outro motivo para estar correndo, era insana a maneira como eu corria, eu tentei parar, juro que tentei, mas meu corpo não me obedecia, eu estava correndo para algum lugar, ou para alguém.

Comecei a chorar, o que era ridículo, afinal de contas, porque bombas d’água eu estava correndo? Afinal, onde eu estava? Como eu fui parar ali? Eu não me lembrava, minha mente não estava funcionando como deveria, meus pensamentos estavam desordenados, e eu não conseguia nem sequer lembrar meu próprio nome, eu não conseguia lembrar de nada, só de correr, aliás, nem disso eu lembrava, meu corpo fazia isso por mim, sem eu ter o devido controle sobre ele.
A lua estava cheia, o tipo de lua que eu gosto, a lua dos amantes, a lua mais romântica de todas, mas nem isso conseguiu me conter, eu continuava correndo furiosamente, em direção ao desconhecido. E por incrível que pareça eu não ficava cansada, o que era estranho, porque não sou como essas garotas atléticas que dão a volta pela cidade inteira sem ao menos suar, eu sou mais do tipo que dá uma volta na praça perto de casa e já fica morrendo de cansaço, tentando respirar como estivesse se afogando.
Mas eu tinha a impressão que agora eu venceria de qualquer uma daquelas atletas, estava correndo muito rápido, mas rápido até do que eu achava que era capaz de correr, correndo por um objetivo, o qual eu não sabia o que era, mas se eu continuasse correndo daquela maneira, logo eu iria descobrir.Eu tinha certeza disso.
Todas as células do meu corpo estavam trabalhando a mil por hora e eu podia sentir isso, mas mesmo assim, o cansaço não vinha, e eu me sentia mais confiante a cada minuto.Eu estava com medo, não sei do que, mas isso era um fato, o medo estava por toda parte do meu corpo, a adrenalina rolava solta pelas minhas veias, mas eu não estava fugindo de nada, estava indo ao encontro de alguma coisa. E isso me esperava.

A medida que eu corria, os pensamentos iam se formando na minha mente, cada vez mais eu tinha certeza do que estava fazendo, eu estava indo em direção a morte. A minha morte.
As lagrimas cessaram quando eu deduzi isso tudo ficou tão calmo, quando eu descobri que estava indo em direção a minha morte, eu fiquei calma, o medo ainda estava dentro de mim, mas continuei correndo, até mais furiosamente do que antes, eu queria aquilo, eu queria a minha morte. Porque bombas d’água eu queria a minha morte?
Parei de correr abruptamente, não sentia mais necessidade disso, coloquei as mãos no rosto e limpei-o, eu estava totalmente encharcada, mas não importava mesmo, eu iria morrer em poucos minutos, ainda não sabia como, mas sabia que aconteceria.

Ergui meu rosto para ver onde eu estava, e a lua iluminou o casarão muito velho que estava na minha frente. Abri o portão calmamente e sorri, não um sorriso falso, um sorriso verdadeiro, mas nem sei porque estava sorrindo. Fui em direção a porta da velha casa e bati três vezes, ela abriu-se sozinha como naqueles filmes de terror, andei lentamente em direção ao centro do salão e sussurrei:

- Eu estou aqui – quem quer que fosse que estava me esperando poderia me ouvir, eu sabia disso.
E ouviu.

Alguém atrás de mim sussurrou no meu ouvido:
- Está pronta?
- Sim, - minha voz parecia assustadoramente calma, até para mim – eu estou.
Meu coração dava pulos no peito, a adrenalina ainda corria furiosamente pelas minhas veias, minha mente gritou para eu sair correndo, mas meu coração dizia que eu devia ficar, que tudo ia acabar bem. Eu fiquei.

Virei-me lentamente para ver a face do meu assassino, eu ansiava por isso mais do que qualquer outra coisa, até mesmo mais do que a minha vida.
Não senti-me nem um pouco surpresa ao ver quem era.
Fernando estava ali, parado na minha frente, lindo como sempre foi, com os cabelos loiros desarrumados e aqueles olhos azuis me encarando. Ele estava com um sorriso enigmático e os olhos brilhantes.

- Antes que aconteça eu quero que saiba, - sussurrou ele no meu ouvido – eu te amo.
- Eu te amo também – sussurrei de volta.
Ele se abaixou, me segurou pela cintura, roçou os lábios no meu pescoço, me deu um beijo e depois mordeu. A dor foi incrível a maior que eu sofri na minha vida, era como se alguém estivesse perfurando meu pescoço com uma adaga, mas eu me senti bem, eu tinha decidido por aquilo.

Acordei atordoada, com o som do meu despertador.

Sentei na minha cama ainda um pouco grogue, e senti meu corpo arrepiar ao me lembrar do sonho que tive, parecia um tanto macabro agora que eu estava acordada, eu estava totalmente suada.
Saí da minha cama, fui até a janela e abri as cortinas, ainda não tinha amanhecido, e o céu estava chuvoso como no meu sonho.
Deviam ser umas quatro horas da manhã, então resolvi não dormir mais, afinal, eu ia acordar dali a poucos minutos.

Fui tomar meu banho, a coisa que eu mais precisava agora era disso, um banho. Senti cada músculo do meu corpo relaxar lentamente, em poucos minutos estava totalmente relaxada.

Tive que ficar repetindo pra mim mesma a cada minuto do banho: “Trate de se acalmar, Natasha, foi só um sonho”.

Terminado o meu banho voltei para o quarto, vesti a minha farda do colégio, arrumei minha mochila de educação física e fui para a sala. Fiquei assistindo tevê enquanto meus pais não acordavam. O que aliás, não durou muito tempo. Eles logo acordaram se vestiram e fomos embora.

Cheguei cedo ao colégio, ia entrando no mesmo quando ouvi gritarem meu nome.
- Natasha!
Virei-me para ver quem me chamava e não me surpreendi ao ver quem era. Fernando. No momento que o vi, o meu sonho todo fez sentido, não dava mais pra esconder o que eu sentia por aquele novato, eu estava apaixonada por ele. Simples.

- Oi – eu disse com uma voz sonolenta, ainda não tinha acordado direito.
- Oi – ele falou e sorriu, logo seu sorriso desapareceu – você está um caco, o que houve?
- Ah, foi só o meu pesadelo.

sábado, 6 de junho de 2009

O irracional...é amar

O irracional, é quando você olha nos olhos de uma pessoa, e sente seu coração disparar, suas bochechas ficarem coradas, suas pernas começarem a tremer. O irracional é quando você fica frente a frente com uma pessoa, você não consegue falar nada que preste, seus olhos desviam dos dele, quando na verdade você não queria parar de olhá-los, o irracional é quando a pessoa beija seu rosto, você sente seu corpo todo se arrepiar, como se aquele fosse o primeiro beijo que você teve na vida. O irracional, é quando você olha pra pessoa, você volta a primeira vez que a viu e se deslumbra do mesmo jeito. O irracional é quando a pessoa que você ama, é chamada de feia por todos, mas não importa o que eles dizem, ele é o garoto mais lindo do mundo. Enfim, o irracional... é amar.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Seus sonhos, não são meus sonhos


- Mas isso não é profissão que se preze. - Foi isso o que minha mãe disse quando informei a ela a profissão que eu iria seguir - Você vai ser advogada, assim como eu, tudo bem?
- Não, não tá tudo bem, eu vou seguir essa carreira e ponto.
- Ah, não vai não, essa profissão não dá dinheiro
- Mas mãe, é a profissão que eu quero pra mim
- Onde já se viu, ser biologa marinha, e vai viver de que? de vento?
- Não mãe, se eu estudar muito eu posso tirar uma grana fazendo o que eu gosto
- Não importa fazer o que gosta, importa fazer o que dá dinheiro
- Sinceramente, eu não consigo conversar com a senhora. - Virei e fui em direção ao meu quarto.
Passei pela porta fechando-a atrás de mim. Deitei na cama, e simplesmente comecei a chorar, sinceramente, eu não sei nem porque estou chorando, toda vez que eu "tento" conversar com a minha mãe sobre a profissão que eu quero seguir, ela me lembra da vida que ela planejou pra mim.
Primeiro passo era entrar no colégio militar, mesmo contra a minha vontade, segundo passo escolher a profissão que ELA escolheu pra mim, ou seja: advogada, terceiro passo entrar na melhor faculdade e quarto passo ganhar muito dinheiro.Só que eu não quero essa vida, não quero as coisas que ela escolheu pra mim, não quero ser advogada como ela quer que eu seja, quero ser uma biologa marinha.

Não quero ficar todos os dias como uma senhora, quero conhecer o mundo.Infelizmente, eu não sou do jeito que ela quer que eu seja, quero seguir a minha vida. Fazer o meu destino. Construir a minha história.Eu sei que ela só quer o melhor pra mim, me ajudar a crescer, mas a melhor maneira de ensinar uma pessoa a viver, é deixando ela seguir os proprios passos, errando e aprendendo com os erros, caindo, levantando e seguindo em frente, é por isso que nós adolescentes somos tão complicados, porque queremos aprender a viver nossas proprias vidas, só.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Relatos - Novo lugar, nova vida

Alguns leitores do blog me pediram pra fazer a história da chegada do Fernando contada por ele, mas por falta de tempo, e de criatividade, ela só saiu agora, esta história, não está dentro do dia-a-dia, é só porque me pediram mesmo.
______________________________________________________________________________

Eu tinha me mudado havia uma semana, mas ainda não tinha ido a escola. Fiquei em casa ajudando o meu pai com a mudança. Com tudo já arrumado eu não tinha mais desculpas pra deixar de ir a escola.
Eu simplesmente odeio escolas novas, todo mundo fica te encarando como se fosse um alienigena, alguém que não pertence a esse lugar, e eu realmente não pertencia.
- Ei, Fernando, você tem que ir primeiro a secretaria para pegar seu horario de aulas - Avisou meu pai enquanto eu saía do carro
- Ok, pai. Te vejo depois.
Na verdade foi fácil encontrar a secretária, fácil até demais. Ficava bem na frente do colégio, bastava atravessar o patio, e tinha escrito bem grande no letreiro ' SECRETARIA '. Fui em direção ao local . A mulher que trabalhava lá tinha os cabelos negros preso em um coque, os olhos dela eram do mesmo tom dos cabelos, ela era um pouco robusta. Ela estava mechendo em uns papéis por isso não deve ter notado-me.
- Oi! - Falei em tom amigavel quando cansei de esperar

Mesmo assim acho que ela tomou um susto, ela deu um pequeno pulo na cadeira e sorriu para os papéis, até mesmo um pouco forçado. Ela devia mesmo estar concentrada naqueles papéis.
- Ar, oi. - A pequena mulher ajeitou seus óculos - Eu sou a senhora Aurora, o que posso fazer por você, menino?
- Bom eu sou novo aqui. Meu nome é Fernando Marcelles e eu...
- Ah, senhor Marcelles! - Ela não deixou eu terminar a minha frase - Estávamos à sua espera, aqui está. - A mulher chamada Aurora estendeu um pedaço de papel pelo vidro - É o seu horario.
- Obrigado
- Não há de que, tenha um bom dia
- A senhora também
Virei-me e comecei a andar lendo o meu horario, eu estava na turma 2 e a minha aula agora era educação fisica. Olhei pro meu uniforme, uma calça comprida marrom escuro, sapatos sociais, camisa branca, e um casaco do mesmo tom de marrom da calça. Ótimo, como eu ia fazer educação fisica com isso? Olhei o papel de novo, depois da educação fisica iria ser o recreio depois era a aula de algebra, então eu só iria pra aula de algebra. Suspirei. Hoje o dia ia ser longo.
Continuei andando em direção ao refeitório quando notei um grupinho de meninas me olhando, cochicando e dando risinhos, o que eu disse? Um alienigena.
Sentei sozinho na mesa do refeitorio, e o sinal tocou. Em poucos minutos o refeitório se encheu de gente. Notei um grupo de meninas chegando, entre elas tinha uma morena, com os cabelos castanhos claros, andando conversando com as outras, ela parecia estar triste.
O grupinho sentou numa mesa do outro lado do refeitório, eu continuei observando. A garota morena nem pegava na comida, olhava pras outras, respondia o que lhe perguntavam e sorria, não um sorriso de alegria, um sorriso forçado.Foi aí que aconteceu.
Um par de olhos cor-de-chocolate encararam os meus por um minuto, os olhos eram dela, da garota morena. Só ficamos nos encarando por um minuto, depois os dois viramos os rostos.

O sinal tocou outra vez, estava na hora da aula de algebra. Dei outras duas mordidas no sanduíche que estava comendo e depois joguei o resto no lixo.
Demorei um pouco pra achar a turma 2, mas quando finalmente consegui praticamente todos os alunos já estavam lá.
A menina morena também estava lá, estava lendo um livro.
- Com licença - Falei indo em direção ao professor - Meu nome é Fernando Marcelles, sou novo aqui. - Sorri.
- Oh, bem Sr Marcelles. Eu sou o professor Augusto. Bem vá sentar ao lado da Srta Façanha, acho que ela pode ajudar-lhe a acompanhar a turma.
Olhei na direção que o professor apontava, era a morena do refeitório.
Mais uma vez nossos olhares nos encontraram, mas dessa vez nenhum de nós desviou o olhar.
- Soube que o senhor veio do Sul é verdade?- Perguntou o professor Augusto.
Virei pra ele e respondi com um rapido:
- Sim.
Fui em direção a garota que ele tinha indicado.
- Oi! - Falei sorrindo - Meu nome é Fernando Marcelles, sou novo aqui, o professor Augusto disse que eu deveria vir me sentar ao seu lado, ele disse que você pode me ajudar. Srta Façanha?! - Ela estava roxa.
- Me chame só de Rayssa - Ela conseguiu por pra fora e depois sorriu, sorri também.
Me sentei ao lado dela e logo começamos a conversar, o assunto fluía muito rápido
- Sr Marcelles e Srta Façanha - O professor Augusto falou - Se os senhores não pararem de conversar eu terei que separá-los
Rimos baixo e ficamos quietos. Eu acho que vou gostar desse lugar

domingo, 26 de abril de 2009

Decisão

Eu já tinha decidido e não havia nada que pudesse fazer eu mudar de idéia, eu iria até o fim com a minha decisão custe o que custar.
Bati na porta da casa do Guga, eu não agüentaria esperar até segunda para falar com ele, eu não podia falar com ele pelo telefone ou MSN, seria covardia demais, e eu não sou o tipo de pessoa que procura saídas mais rápidas, eu procuro enfrentar os meus problemas de frente. Passaram-se alguns minutos até que alguém veio atender. Era a Dona Helena, mãe do Guga.
Eu sempre tive uma enorme admiração pela Dona Helena, ela devia ter uns quarenta e muitos ou uns ciquenta e poucos anos, mas seus olhos e seu sorriso pareciam de menina, o Guga puxou muito da mãe, incluindo os olhos cor de mel e a pele branca, mas ela era tinha os cabelos loiros e cacheados e ele tinha os cabelos negros e lisos, mas o que mais chamava atenção no Guga são os olhos, eu sempre me apaixono pelos olhos.
- Oi Dona Helena! – Falei dando um sorriso, até mesmo um pouco forçado. – O Guga está?
- Não, querida, hoje é sexta, ele está no treino de futebol, mas se você quiser esperar... - No mesmo instante que ela falou que ele estava no treino eu me virei e comecei a correr em direção ao campo que eles treinavam.
- Obrigada Dona Helena – Eu gritei ainda correndo.
Quando cheguei no campo eu estava ofegando e suada. Ótimo! Não foi assim que eu planejei isso. Sim, eu planejei isso, e na minha imaginação era o mais rápido e neutro possível. Sentei no banco pra descançar um pouco. O Guga veio falar comigo.
- Olha só quem veio me visitar – Ele estava todo sorridente.

- Oi Guga, eu...
- Deixe- me adivinhar, veio me dar a minha resposta, qual é, sim ou não? É sim, não é? Ah, Rayssa você não sabe o quanto eu estou feliz – Depois dele não ter deixado eu falar, ele me abraçou. Afastei-o no mesmo instante.
- Não!
- Não o que? – O sorriso dele desapareceu
– Não, você não tem a resposta ou não é a sua resposta?
- Não é a minha resposta
- Mas, porque?- Porque eu não posso fazer isso com a Vih - Mentira! – Ele gritou – é por causa daquele mauricinho do Fernando
- Por ele também
- Você gosta dele – Isso não era uma pergunta
- Guga, eu...Ele segurou meu rosto e me beijou, um beijo ardente, um beijo apaixonado, mas eu não podia correspondê-lo, eu já não era mais apaixonada por ele. Parei o beijo.

- Desculpa Guga, eu não posso
- Porque não?
- Eu já esperei tempo demais por você, e agora, eu não posso fazer isso comigo.

Dei um beijo doce do alto da testa dele como se dissesse: vai ficar tudo bem, você vai ver. Virei-me e comecei a caminhar, estava começando a chover, já não importava, eu tinha cumprido com a minha decisão, isso importava.

sábado, 25 de abril de 2009

E se...


se todas as pessoas do mundo não acreditassem que você é capaz ? se todas elas te botassem pra baixo? se todas elas jogassem na sua cara que você não é nada, que não é útil, que não presta. se todas elas te humilhassem, te fizessem chorar, sofrer? o que faria? eu secaria minhas lagrimas, ergueria minha cabeça, e seguiria em frente, fazendo tudo o que elas achavam que eu não podia, tudo o que estava fora do meu alcance, tudo o que é útil, até mostrar pra todos que eu não sou fraca, e que eu posso muito mais.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Adeus!

- Vem já pra cá por favor! – Eu supliquei
- Han? Mais o que...
- Por favor
- O que aconteceu?


- Tu pode vir pra cá? Eu preciso de você aqui.
- Ta, to indo.
Ela desligou.
Adeus, essa palavra horrível tinha que existir, não existe e nunca existiu coisa pior do que uma despedida, a pior despedida é quando nós sabemos que nunca mais veremos a pessoa amada, quando sabemos que nunca mais veremos aquele sorriso amigo, aquela risada estrondosa, aquele beijo carinhoso, enfim, nada, só silencio.
Minha mãe me dizia quando eu era pequena que Deus queria as melhores pessoas do lado dele, que era para essas pessoas não sofrerem tanto na Terra por serem tão boas. Eu, sinceramente, nunca tinha acreditado muito nisso, mas hoje de madrugada a minha opinião mudou totalmente. Meu avô, meu querido avó, Deus o levou e eu não pude fazer nada, eu não pude falar pra ele o quanto eu o amava antes dele ir pra sempre.
Esse é o meu problema, acho que eu vou ter as pessoas pra sempre, e quando menos espero, elas se vão.
Eu não queria perdê-lo, juro que não, a pior coisa do mundo é sentir o que eu estou sentindo, culpa. Sei que não sou culpada, alias ninguém tem culpa em um infarto, mas é que... eu sinto falta dele, eu quero ver aquele sorriso de novo, quero abraçá-lo mais uma vez e dizer que o amo e sempre amarei.Que ele vai pra sempre estar no meu coração que ele é o melhor vozão do mundo e que sempre, sempre estará comigo esteja onde estiver e..e.. que a gente um dia ainda vai se encontrar.
Escutei a porta bater, no mesmo instante corri pra atender, já tinha certeza de quem era.
Abri a porta e lá estava ela, a Vivian.
- O que foi? – falou ela
Abracei-a e sussurrei no seu ouvido:
- Ele morreu.
- Ah, sinto muito
E ficamos lá, abraçadas, até eu parar de chorar.


____________________________________________________
Texto dedicado ao meu querido avô, você sempre vai estar no meu coração esteja onde estiver.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Coração dividido


O meu prazo estava acabando, e eu ainda não tinha uma resposta concreta para dar ao Guga, o que eu diria, ‘ Desculpa, mas chegou tarde’? Não é bem assim, eu fui, ou sou, apaixonada por esse garoto desde o meu jardim de infância. Não era paixonite a toa, era sério, eu gostava mesmo dele, acho que ele merece um pouco mais de respeito, ele foi meu melhor amigo durante anos. Mas também, não passou disso.
Já com o Nando não, ele é diferente. Não é uma coisa que se explica, é como se a gente já se conhecesse de vidas passadas, ok eu não acredito em vidas passadas ou em nada do tipo, mas acredito em destino, e o Nando esta no meu, eu sinto isso. O que eu sinto por ele não é uma coisa que eu senti por ninguém, é estranho como eu me sinto perto dele, não é comum.
E ainda tem a Vivian, eu não contei pra ela o que ele me pediu, eu tenho medo que ela ache que eu seduzi o namorado dela, ela ia ficar como eu fiquei quando ela começou a namorar com ele, sem chão. Eu não quero que a nossa amizade volte como estava a uns dias atrás. Sempre que pode ela fala dele, diz que ainda gosta daquele ‘cabeça dura’ e que morreria se não continuasse com ele, ela ainda tem esperanças deles voltarem.
E ainda tem.. eu, uma parte da minha mente queria espancar o Guga e mandar ele voltar correndo para a Vivian, mas a outra parte pulava de alegria, eu sei que isso parece meio hipócrita mas é totalmente a verdade, eu juro que pensava que já tinha esquecido ele, mas não era verdade, e nem era mentira, era só... confusão.Isso, essa era a palavra certa pra descrever a minha mente, confusa. Eu jurava que não gostava mais dele mais parece que a minha mente deixava essa parte oculta.
Não se deixa de gostar assim de alguém, é obvio que eu devia ter imaginado uma coisa dessas, o destino vive aprontando comigo, porque não aprontaria agora?
DEFINITIVAMENTE, eu não sei o que fazer D:

sábado, 21 de março de 2009

Lua

Essa era a confirmação, ela estava ficando louca. No que ela estava pensando quando foi para aquele fim de mundo? No que ela estava pensando quando o achou atraente ? Ela já tinha a resposta: ela não pensou, seguiu seus fracos instintos humanos, ela se deixou levar pela beleza escultural meticulosamente formada, a face de um Deus, ela pensou de repente. Ela já estava cansada de ficar ali olhando para a lua e cantando musicas românticas. Isso é totalmente ridículo, pensou ela de novo, eu odeio isso.
Tudo o que ela queria era voltar para casa e nunca mais ver o garoto com rosto de um Deus. Não aguentaria mais apaixonar-se, ela não queria mais sofrimento, seu pobre coração não aguentaria mais, aguentaria? Mas enquanto sua mente gritava isso, seu coração sussurrava em seu ouvido exatamente o contrário, ele queria que ela descesse as escadas, agarrasse o garoto pelo pescoço e trouxesse-o para mais perto de si, até seus lábios se tocarem, até o corpo dela ficar quente, diferente do corpo gelado de agora, acabando assim com o pouco de juízo que lhe restara.
“Vá, corra para casa!” gritava sua mente. “Vá, corra para ele” sussurrava seu coração. Qual decidir? Isso seria o começo de sua loucura? Seria? Uma lagrima brotou em seu rosto e ela se viu sussurrando para o céu:
- Não! Eu não vou.
Só lhe faltava isso, ficar falando sozinha. Ela estava louca! Ela parou abruptamente com seus pensamentos quando sentiu, estavam observando-a. Ela enrijeceu e sentiu a brisa jogar seus cabelos para seu lado direito levemente. Junto com a brisa veio uma fragrância muito boa, era o cheiro de uma colônia masculina. De repente ela parou de respirar, ela conhecia aquele cheiro, era o cheiro dele, um tremor passou pelo seu corpo. Ela esperou até ter absoluta certeza de que ele estava ali. Sim, ele estava.
Ela se virou devagar e o viu parado ali. No auge de seus dezessete anos, com seus cabelos loiros voando livremente, sua boca tremula por causa do frio, seu corpo escultural, esculpido pelo mais talentoso dos artistas, e seus olhos, ah, seus olhos, ela os deixou por ultimo propositalmente, porque sabia que quando seus olhos cor de chocolate encontrassem aqueles olhos verdes-claros estaria acabado, ela perderia o fio do pensamento.
Como ela resistiria ao impulso de correr até ele e beijá-lo? De gritar aos céus que ela estava apaixonada por ele? Ela deu um meio sorriso em direção a ele pensando naquela possibilidade.
Naquele momento que ela deu o meio sorriso ele parou de respirar, tudo o que ele queria fazer naquele exato momento era ir em sua direção e trazê-la para junto de si, pressioná-la contra seu corpo como se fossem se tornar um só.
Desde que tinha chegado ela não saía mais de seus pensamentos. A garota pequena, com seus cabelos castanho-escuros, com seus olhos cor de chocolate, encarando-o com seu jeito curioso desde o primeiro momento. O rosto de um anjo, ele lembrou o que tinha pensado naquele primeiro vislumbre.
Ele sorriu de volta, um sorriso grande e iluminado. Ela não viu, tinha virado de costas pra ele de novo. Voltando a encarar a lua.
Ele foi em sua direção e parou do seu lado, tocou seu ombro e no mesmo instante desejou não tê-lo feito.
Ela sorriu ainda olhando pra lua, seu rosto ainda mais lindo por causa do reflexo da lua nele.
- Não é linda? – ela sussurrou – Não é a coisa mais linda que você já viu?
- É – ele sussurrou de volta, não estava pensando na lua em si, mas sim no efeito magnífico que seu reflexo causava no rosto da garota.
Ela fechou os olhos e uma segunda lagrima escorreu lentamente pelo seu rosto. Por quanto mais tempo duraria aquela tortura? Claro, era ótimo tê-lo junto dela, mas não poder tocá-lo era a maior tortura do mundo. Das duas uma : ou ela sairia correndo escada abaixo e seria taxada como a louca que realmente era ou beijaria o garoto ali e agora, mas também não era a melhor escolha, do mesmo jeito ela seria doida.
No momento em que ele viu a lagrima cristalina brilhando no rosto da menina seu sorriso desapareceu, porque ela estaria triste? Ele estaria importunando-a? Ele não conseguiu conter o impulso que veio de repente de tirar aquela lagrima de onde ela não pertencia. Não ficava bem no rosto daquela linda garota, uma lagrima cristalina.Ela sentiu a mão quente dele em seu rosto e estremeceu, ele era tão quente. O que ele estava fazendo? Ela não sabia, só queria que ele nunca mais parasse.
- Porque está chorando, menina? – ele sussurrou com sua voz doce como o mel – Se for por minha causa eu posso descer.
O pânico tomou conta dela, é claro que ela estava chorando por ele, mas ela não queria que ele fosse embora, ela não queria sequer que ele se mexesse um milímetro que seja de onde estava.
- Não! – Ela quase gritou – Não é por sua causa, - mentiu ela descaradamente – é só saudade de casa.
- Huum. – Ele sussurrou em um tom frio, ele não queria que ela voltasse pra casa
Uma terceira lagrima saiu dos olhos dela, mas dessa vez ela foi mais rápida, tirou a lagrima dali antes mesmo que escorresse pelo seu rosto.
- O que você veio fazer aqui ? – sussurrou ela em um tom frio de repente.
O que ele falaria? Que queria ficar com ela o maior tempo possível? Não, ele não poderia dizer isso.
- Todos estavam sentindo sua falta lá em baixo – Parece que todos estavam mentindo descaradamente hoje.
- Hum – sussurrou ela – ok
- Ér, bem, ok então. – ele queria dizer que ela não saía de sua mente desde que chegara, que ela estava em cada pensamento dele, que ele não conseguia esquecê-la. Nada fora dito.
Ele olhou pra ela e ela para ele, ficaram se encarando por um longo minuto, um lendo a mente do outro e as duas diziam ‘beije-me’. Nada fora feito.
Ela desviou o olhar e ele se virou para ir embora, se encontrar novamente com os amigos, parou no meio do caminho e se virou para ela, ela também estava virada para ele, vendo-o partir.
- Tchau – ele falou e sorriu
- Tchau – ela respondeu e sorriu também – E eu te amo – ela sussurrou, ele não pode ouvir.
Um turbilhão de lagrimas se formaram no rosto dela enquanto ela voltava a encarar a lua, as palavras ecoavam em sua cabeça : “E eu te amo”. Mas ela não disse nada, nem ele.
Se algum dia eles se encontrarem de novo, teriam eles coragem de falar o sentimento? Ou o guardariam para todo o sempre? Isso, só o destino é capaz de responder.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Abobrinhas - Amizade de verdade

Amigos são aqueles que estão sempre com a gente independentemente da distancia, que sempre oferecem o ombro amigo quando é preciso, amigo é aquela pessoa que te dá os melhores momentos, as melhores conversas, as melhores falsas brigas, as pessoas com quem você se diverte de verdade, a pessoa com quem você não precisa fingir nada, esconder nada, que você pode ser você mesmo, e por mais distante que essa pessoa esteja você sempre sente ela perto, te apoiando te dando a mão quando é mais preciso, te guiando em um momento de escuridão. As pessoas a quem eu devo meus segredos, as melhores do mundo ;D’

Texto dedicado pras melhores pessoas do mundo : Vivian, Talita, Fabyanne, Letizia eu amo demais vocês amigas *----------* <3

quinta-feira, 12 de março de 2009

Ciúmes do Guga

A minha felicidade estava completa,TUDO ESTAVA PERFEITO, com tudo resolvido eu voltei a falar com a Vivian, ficava cada vez mais próxima do Fê, o Wallacy não me perturbou mais e EU NEM PENSAVA MAIS no Guga ou melhor, era IMPOSSIVEL não pensar nele já que a Vivian ficava com ódio toda vez que eles discutiam e começava a reclamar do namorado. Essa devia ser a 34ª briga deles, ou mais.
Hoje, surpreendentemente, o Guga não sentou do lado da Vivian e sim do meu. Isso era novidade!
:O'
Na aula de português, a minha preferida eu recebi um bilhete e nele estava escrito o seguinte:
Preciso falar com você
Imediatamente reconheci a letra, era do Guga
O que foi ?
Escrevi com a minha letra ridícula, um garrancho torto. Ele demorou um pouco escrevendo no papel e me devolveu
Nada, eu só quero falar com você, no pátio na hora do intervalo, pode ser ?
Curiosa, era essa a palavra que me descrevia no momento
Ok , respondi no papel
Na hora do intervalo fui ao pátio como ele tinha me pedido, ele ainda não havia chegado.Ele chegou poucos minutos depois de mim
- Desculpe, – Disse ele ofegante – tive que passar na secretaria e...
- Sem problemas, o que houve ?
- Eu preciso falar com você
- Eu sei pode começar
- Eu te AMO – disse ele quase gritando
- O que ? – Essa realmente me pegou de surpresa – Você está brincando comigo, só pode.
- Não, não eu juro. Eu te AMO não dá mais pra segurar isso – Ele segurou minhas mãos na dele
- Oh, oh – Eu não sabia o que falar – Você namora a Viih
- NamoraVA - Ele quase gritou na ultima silaba.
- Oh não, to fora dessa isso é entre você e ela
- Promete que vai pensar ?
- Prometo – as palavras saíram da minha boca, e no mesmo momento desejei não tê-las dito.
Ele saiu do pátio com um sorriso gigantesco no rosto. E eu me sentindo da pior maneira possível, a criatura mais repugnante da face da Terra. Afinal que criatura mais horrível poderia praticamente ‘roubar’ o namorado da melhor amiga e dar esperanças a um garoto super legal ? Eu era essa criatura, eu era um monstro. fiquei sentada lá com o rosto nas mãos até o sinal tocar. Pronto, hora de voltar.

quinta-feira, 5 de março de 2009

Esquentadinha

Aliviada, foi assim que eu me senti quando soquei a cara daquele espinhento do Wallacy, um idiota que sempre faz de tudo pra me tirar do sério, ele é totalmente sem noção. Primeiro, ficava me chamando de NERD - coisa que eu não tenho culpa dele ser mais burro do que a maioria da nação - depois, ele inventou que eu estava namorando o Diguim, só porque toda vez que eu o via abraçava ele, mas o que me tirou do sério foi espalhar por todo o colégio que eu queria ficar com o Fêh, só porque sempre andamos juntos e vivemos conversando
- Olha, me escuta bem, já é a TERCEIRA vez que eu te falo isso, mas agora é pra valer, se você continuar falando esse tipo de coisa vai se arrempender - eu ameacei

- UI QUE MEDA - ele me espondeu com um sarcasmo
- Eu te aconselho mesmo a ter medo, espinhento, eu não vou avisar de novo, minha paciência não é tão grande assim.
Mas ele me ouviu ? É claro que não, acho que nenhum garoto escutaria, que garoto teria medo de uma garota? mas esse ingênuo garoto não sabe que a garota fez boxe quando era pequena. Traduzindo, ele se deu mal.
Todos estavam nos seu grupos na sala de aula, conversando como sempre. O meu grupo era a Vivian, a Faby, a Létih, o Jardel, o Diguim, a Cathe o Fêh e eu. A gente SEMPRE VIVE CONVERSANDO, do outro lado da sala estava o grupinho do Wallacy, OS IDIOTAS MANÉS E RETARDADOS! Do nada eu escutei meu nome e o do Fêh. Fiquei curiosa pra saber o que era, afinal quem não ficaria se escutasse seu nome sendo pronunciado por um bando de idiotas? Eu fico. Atravessei a sala e fiquei cara a cara com os bocós.
- O que é que vocês estão falando sobre mim ? - Perguntei
- Nada, só tava explicando pra eles que você quer ficar com o Fernando - Respondeu ele na maior tranquilidade, com um sorriso debochado no rosto.
Olhei nos olhos dele com um olhar de 'eu vou te matar, idiota' e me virei como se fosse embora.Quando eu fiz isso ele cometeu o maior de seus erros.
- Vai mesmo garota, isso prova que eu estou falando a verdade - Depois que ele disse isso deu uma gargalhada histérica.
Eu parei onde estava, senti o sangue correr para o meu rosto e meu corpo todo tremer, concentrei toda a minha força nas mãos e me virei com tudo.Sem pensar eu soquei o rosto do garoto, deu até pra ouvir o estralo do pescoço dele. O rosto ficou roxo, e uma espinha dele estourou quando eu soquei, isso fez o rosto dele sangrar - eca - eu me senti bem imediatamente, há três anos eu queria fazer isso, e afinal FIZ, o alívio foi se espalhando cada vez mais pelo meu corpo. Eu estava quase desconexa do mundo, só sentindo o alivio percorrer meu corpo, só estava atenta aos gritinhos a nossa volta ' hey Wallacy, apanhou de uma garota hein ?', ' Mandou, bem Rayssa' , ' Cara, um dia quero ser igual a você '. Aquilo me fez sorrir, era tão bom escutar aquilo, de verdade.
- Agora é que eu vou começar a zoar cada vez mais com você - Ele gritou quando eu já estava me virando pra ir embora.
- Se você fizer isso mais uma vez, eu não vou ser boazinha como agora e só socar seu rosto.
Atravessei a sala outra vez em meio de vaias pro Wallacy e gritinhos pra mim.
- O que foi aquilo? - Perguntou o Fêh em um sussuro,no meu ouvido
- Um idiota tendo o que merece - Respondi em um sussuro também.
O dia com certeza, não podia ficar melhor!

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Conversa Franca


Eu não tinha mais razões pra continuar com raiva dela, tinha? Eu precisava mesmo ignora-la ? Eu realmente estava ficando LOUCA, eu precisava mesmo voltar a falar com ela, mas como ? Minha mente e meu coração falavam que era pra eu ir, enquanto o meu orgulho se recusava a me deixar ir, eu sou assim desde criança MUITO ORGULHOSA :x . Depois de um tempinho com o meu dilema pessoal, eu decidi que iria falar com ela, mesmo que isso ferisse meu orgulho,mesmo que ela não quisesse olhar na minha cara.Eu TENTARIA!
Ela estava no corredor, do lado dos armários, com uma expressão vazia, fitando o nada.
- Oi!- Falei tentando me controlar, de repente tinha um nó na minha garganta, eu não sabia mais o que falar, eu estava com...com medo
Ela me olhou com a mesma expressão vazia. Eu não estava mais com medo, estava
APAVORADA! :O’
- O que você quer ? – Ela falou num tom áspero, voltando a olhar pro nada. Eu imaginei que ela estivesse na defensiva
- Conversar, eu acho – Falei olhando para o chão, não estava com coragem o suficiente pra olhar pro rosto dela.
Depois de uns 3 minutos, eu finalmente olhei para cima, agora ela estava com uma expressão incrédula mas não conseguia disfarçar a curiosidade, isso era bom!
- Sem gritos ? – Ela perguntou dando uma risada baixa
Eu tive que rir também
- Sem gritos – Respondi reprimindo um sorriso
- Promete ?
- Prometo, agora por favor você pode me escutar ?
- Vá em frente. Sou toda ouvidos
Eu respirei fundo tentando dar ADEUS ao meu orgulho
- Ér...bem...É que eu... hum – Foi isso o que saiu da minha boca
- Nervosa ? – Ah cara, ela sempre sabia como eu estava me sentindo :x’
- Um pouco – admiti
- Não fique, sou só eu
E era por isso que eu estava nervosa, porque ela era só ela :x. Tomei coragem e foi, saiu tudo de uma só vez. Expliquei pra ela que não estava chateada, pedi desculpas, agora era oficial, meu orgulho estava totalmente DILACERADO :x eu terminei com o bom e velho:
- Você me perdoa ?
Ela tinha escutando tudo com atenção, tinha ficado quieta demais, isso não era da Vivian
- Não – Ela falou olhando nos meus olhos
- Não ? – Repeti a palavra incrédula, eu não estava sendo capaz de acreditar no que acabara de ouvir. Lagrimas brotaram em meus olhos
- Não, – ela fez uma pausa e depois continuou – porque não há nada o que perdoar.
As lagrimas caíram, mas agora era de felicidade e não mais de tristeza
- E aí, não vai me dar um abraço ? – Ela perguntou no mesmo momento em que abria os braços pra me abraçar
Eu a abracei, ela realmente NUNCA deixou de ser a minha MELHOR AMIGA

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Novo dia-dia

Agora já faz um mês desde que tudo aconteceu, as mudanças, a briga com a minha melhor amiga e a chegada do Fêh, eu estava encarando tudo muito bem agora que eu tinha o Fêh perto de mim, eu e o FERNANDO já sabíamos TUDO da vida um do outro, exemplo, ele nasceu em Porto Alegre, se mudou para os Estados Unidos com 3 anos, morou lá por 4 anos, depois voltou pra Porto Alegre e agora o pai dele se mudou pra cá, tem um irmão mais novo de 12 anos, os pais dele são separados, a mãe mora com o irmão lá nos EUA, e ele mora com o pai :D’, e ele também sabe tudo da minha demais até pacata vida. Ele sabe que eu gostava do Guga, que eu briguei com a Viih por causa disso :X’. Aí ele solta essa “ Porque você não faz as pazes com ela? ” A minha resposta pra isso se chama ORGULHO, eu não agüentava mais ficar sem a Viih, e eu sei que ela também era ORGULHOSA demais pra vir falar comigo, eu conheço ela até mais do que bem. Eu não me sentia mais sozinha, eu SEMPRE conversava com aquele garoto lindo e loiro de olhos azuis, ele me entendia, eu me sentia mais que a vontade pra conversar com ele, seja lá qual fosse o assunto, ele sempre me apoiava, se tinha algum trabalho em duplas era sempre dividido assim : Guga e Viih, Létyh e Faby, Cathe e Diguim, Fernando e eu. Nada mudou muito nesse ultimo mês, a Cathe e o Diguim NUNCA tiveram 1 briga que seja, mas eu não posso falar o mesmo do Guga e da Viih, o que antes parecia ser um mar de rosas agora mais parece um pesadelo, eles brigavam toda semana, por coisas realmente sem sentido, mas agora nada disso me importava mas, eu estava presa na minha bolha particular, que antes parecia um pesadelo agora tinha se TRANSFORMADO totalmente em um sonho, e eu não queria sair de jeito nenhum daquela bolha, era tudo tão bom, acho que o universo, que antes conspirava contra mim, agora conspira ao meu favor, se isso fosse um sonho eu não queria que ninguém me acordasse, mas eu realmente não acredito que seja real,é tão MAGICO, eu, presa na minha bolha particular, com o meu amigo. Nós mal nos conhecíamos e já éramos inseparáveis, onde um estava o outro tinha que estar também.É incrível como as coisas podem mudar tão RAPIDO

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

O garoto novo


Tinha tudo pra ser um dia como outro qualquer agora que eu estava sem minha ex-melhor amiga eu me aproximei ainda mais da Faby e da Létyh, e no intervalo eu falava com a Cathe, foi aí que o vi pela primeira vez, um garoto loiro sentado sozinho do outro lado do refeitório, ele realmente chamou minha atenção, ele era Tão... Tão LINDO chamá-lo de lindo chega a ser uma blasfêmia, ele era MARAVILHOSO *-*, eu nunca tinha visto aquele rosto antes, mas eu sabia quem ele era, TODAS AS GAROTAS estavam falando do novato que veio do SUL, como ele se chamava mesmo ? Eu procurei me lembrar, ah, Fernando, o nome dele é Fernando! Por um simples segundo um par de olhos azuis encararam os meus, eles eram ainda mais LINDOS do que eu achava, só durou um segundo, um unico segundo até desviarmos o rosto, mas nessa troca de olhares eu senti como se já o conhecesse. O sinal tocou, então eu tive que ir pra aula de algebra.Eu já estava sentada no meu lugar de sempre quando ele apareceu.
- Com licença, – Ele falou indo em direção ao professor Augusto – meu nome é Fernando Marcelles, eu sou novo aqui – ele terminou e sorriu. OH MEU DEUS! Que sorriso, eu quase me derreto na cadeira :X
- Oh bem, Sr Marcelles, - O professor Algusto tem uma mania irritante de nos chamar de Sr e Srta e depois o sobrenome, eu acho que ele tem visto MUITO filme AMERICANO ultimamente – Eu sou o professor Augusto. Bem, vá se sentar ao lado da Srta Façanha, acho que ela pode lhe ajudar a acompanhar a turma – Eu milagrosamente estava indo bem em álgebra, agora eu era uma das MELHORES da turma
õ/ :X
De novo nós trocamos olhares, mas desta vez nós não desviamos o olhar, pelo contrario nós ficamos nos encarando por um bom tempo, nos analisando, até que o professor perguntou alguma coisa e ele teve que responder e depois ele veio na MINHA direção, eu prendi a respiração.
- Oi! – Ele disse sorrindo – Meu nome é Fernando Marcelles, eu sou novo aqui, o professor disse pra eu vir sentar ao seu lado, ele disse que você pode me ajudar, Srta Façanha ?! – Eu devia estar roxa porque ele tava com uma cara de PREOCUPADO :x , Eu finalmente recuperei o fôlego.
- Me chame só de Rah – Eu consegui botar pra fora assim que recuperei o fôlego e depois sorri.
Ele sorriu também e se sentou ao meu lado, nós começamos a conversar, era INCRIVEL como a conversa fluía com esse ‘ESTRANHO
- Sr Marcelles e Srta Façanha – Eu escutei o Professor Augusto falar – Se os senhores não pararem de conversar eu terei que separa-los.
Nós rimos baixo e ficamos quietos. Era INCRIVEL como eu já me dava tão bem com o Fernando (L’

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Uma musica - Monsoon - Tokio Hotel


I'm staring at a broken door,
There's nothing left here anymore.
My room is cold,
It's making me insane.
I've been waiting here so long,
But now the moment seems to 've come,
I see the dark clouds coming up again.
CHORUS
Running through the monsoon,
Beyond the world,
To the end of time,
Where the rain won't hurt
Fighting the storm,
Into the blue,
And when I loose myself I think of you,
Together we'll be running somewhere new...
Through the monsoon.
Just me and you.
A half moon's fading from my sight,
I see your vision in its light.
But now it's gone and left me so alone
I know I have to find you now,
Can hear your name, I don't know how.
Why can't we make this darkness feel like home?
CHORUS
Running through the monsoon,
Beyond the world,
To the end of time,
Where the rain won't hurt
Fighting the storm,
Into the blue,
And when I loose myself I think of you,
Together we'll be running somewhere new...
And nothing can hold me back from you.
Through the monsoon. Hey! Hey!
BRIDGE
I'm fighting all this power,
Coming in my way
Let it take me straight to you,
I'll be running night and day.
I'll be with you soon...
Just me and you.
We'll be there soon...
So soon.
CHORUS
Running through the monsoon,
Beyond the world,
To the end of time,
Where the rain won't hurt
Fighting the storm,
Into the blue,
And when I loose myself I think of you,
Together we'll be running somewhere new...
And nothing can hold me back from you.
Through the monsoon.
Through the monsoon.
Just me and you.
Through the monsoon.
Just me and you.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Abobrinhas - Loira (é) burra ?


Sabe aquelas piadas de loiras ? Isso, aquelas que dizem que TODA A LOIRA É BURRA, eu, particularmente, acho essas piadinhas de SUPER MAL GOSTO, certo, nem sou loira nem nada parecido, CRUZ CREDO ;x, nada contra as loiras, só que eu acho que o loiro não cairia bem em mim. Mas falando sério, de um ano pra cá eu mudei completamente a minha opinião sobre essas piadinhas , quer saber porque ? É que uma das minhas melhores amigas é LOIRA, com o tempo e com a convivência eu vi que essas piadinhas a irritam profundamente E eu, analisando essas piadinhas, vi que elas não ofendem só as loiras e sim todo o sexo feminino , como ? Simples se essas piadas fossem só por causa da cor do cabelo teriam piadas com HOMENS LOIROS também. E as loiras realmente não são burras, exemplo, a minha melhor amiga é SUPER INTELIGENTE, uma das melhores atletas do colégio e LOIRA.Outro exemplo é uma outra guria lá do colégio, manda bem nos estudos, manda bem nos esportes e ... loira é nesses exemplos que eu me pergunto “LOIRA É BURRA?” /desabafei õ/

domingo, 18 de janeiro de 2009

Relatos - Briga de amigas

Vivian


Eu devia ter esperado um pouco mais, eu devia ter me controlado, mas eu SEMPRE fui anciosa, eu não aguentava mais aquele clima, eu tinha que fazer alguma coisa, eu não aguentava mais ficar sem a minha M E L H O R A M I G A, ela podia até me xingar, eu não ligava, eu só queria esclarecer TUDO, botar os pingos nos i's , eu só queria a Rayssa de volta. Ela estava muito nervosa, na defensiva. Eu comecei a falar aí ela pulou pro ataque, eu não sabia que ela se sentia tão..tão TRAÍDA, eu sempre agi com SINCERIDADE, eu sempre disse pra ela que gostava do GUGA que agora era meu namorado, mas ela não me deixou explicar, ela não me deixou responder, ela só falava e falava, se ela ao menos me ouvisse, nós sempre fomos melhores amigas, desde crianças, brigar por garotos não era a nossa cara, nós brigavamos sim mas no outro dia já voltavamos a ser amigas, e tanto tempo sem falar com ela, tanto tempo sem dizer um oi me deixava doida, eu queria os conselhos dela eu queria a risada dela eu queria minha amiga de volta, mas aí, eu perdi a cabeça, ela tava gritando comigo, e eu comecei a gritar também, eu sei que quando a Rayssa tá magoada ela fala as coisas sem medir consequencias, mas eu também era HUMANA pô! Eu também podia errar, agora estavamos as DUAS gritando com um bando de gente em volta, acho que eles estavam esperando uma briga com tabefes e essas coisas, mas a Rayssa não é desse tipo de pessoa, nem eu, nós sabemos que as palavras ferem mais. Eu realmente estou magoada chorando e tudo mais, a briga acabou e eu aqui no meu quarto, chorando, minha mãe até tentou falar comigo, me dizer pra fazer as pazes com a Rah, mas eu sabia que era ORGULHOSA demais pra isso :/
/gabrielrocha,obrigadapelaideia *-*

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Briga de amigas


Eu ainda não tinha me acostumado a todas aquelas mudanças, principalmente a mudança que eu não queria me adaptar a mudança que me destruía por dentro mesmo que parecesse que eu estava muito bem por fora eu me negava a sequer olhar os dois juntos, eu só continuava a sentar na mesma mesa por causa do pessoal, mas era o mais distante deles possível.Eu ainda estava muito magoada, não podia conversar com ninguém especialmente ELA, mas adivinha o que aconteceu “Ela foi falar com você”, acertou eu cheio ela veio conversar comigo, a Vivian, ela veio tentar se explicar, mas eu não queria escuta-la eu não queria sequer vê-la na minha frente, nem pintada de ouro, conseqüência, nós acabamos brigando, uma briga não, a MAIOR briga de TODA a nossa amizade, em muitos anos de amizade, claro que nós já brigamos antes, mas foram brigas fúteis tipo pra ver quem brincava com a boneca mais bonita, quem ia pra festa com o melhor vestido, mas no outro dia a gente já tava se falando, essa briga não, eu me sentia traída, eu sei que não tinha esse direito mais eu me sentia, pô!Ela me obrigou a brigar com ela, ela me obrigou a ser grosseira, ela mais que ninguém sabe que não se deve falar comigo quando eu estou magoada, ela sabe TUDO de mim, quando eu to magoada com alguma coisa acabo falando o que não devo :x , coisas frias e duras, que magoam as pessoas, eu não queria magoá-la, juro que não, mas eu tive que fazer, tive, eu não consegui me controlar. No final das contas nós nos magoamos ainda mais, nós nos fizemos sangrar por dentro. A Vivian e eu somos craques nesse tipo de briga, quando nós não queremos ter uma briga dessas de rolar no chão, basta dizer algumas palavras que fazemos a pessoa chorar na hora, a gente teve que aprender a se defender das patricinhas sabe ? Mas putz, agora eu to trancada no meu quarto, chorando pelas coisas que eu disse e pelas coisas que ela disse pra mim, nós NUNCA fomos tão DURAS uma com a outra antes. Mas querendo ou não ela vai ser pra sempre a minha MELHOR AMIGA, a garota que sabe TUDO sobre mim, coisas boas e ruins.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Mudanças


Você acredita que 15 dias possam mudar completamente a vida de uma pessoa? Não? Eu também não acreditava, até que aconteceu comigo. Sim, a minha vida TODA mudou, quem diria que em meros 15 dias mudariam TUDO na minha vida, é claro que eu sei que uma vida pode SIM mudar do dia pra noite, tipo, um cara ganhar na loteria ou perder tudo investindo em ações, ou sei lá o que, mas comigo não foi assim foi MIL VEZES PIOR. Quando eu cheguei das minhas “Férias”, se é que aquilo pode ser chamado de férias só 15 dias, 15 míseros dias GRANDES férias, sim voltando a história, quando eu voltei das minhas férias estava tudo mudado, um exemplo? Ta bem eu te dou VÁÁÁAÁRIOS exemplos, primeiro o meu amigo mais BOBÃO e ENGRAÇADO, tinha encontrado a Catherine, a garota mais popular do colégio, numa festa nas férias, os dois ficaram e desde então não desgrudam mais a parte engraçada é que o Diguim vivia dizendo: “Eu nunca namoraria uma futilzinha como Catherine Alazar” e agora ele ta ai, andando de mãos dadas e tudo com a futilzinha, agora a Cathe, como o Diguim a chama vive sentando com a gente no intervalo e... pra surpresa geral da nação, ela é SUPER legal.Outra mudança ? Pois bem, vai lá,a Létyh e a Faby que antes não se bicavam agora estão super amigas, eu sei também fiquei de boca aberta :O’, agora a mudança que me massacrou, a que me destroçou, o Guga ta namorando, sim ele ta namorando e vocês não vão acreditar com quem, com a Viih, é, a minha melhor amiga, ou a minha ex-melhor amiga ou sei lá o que ela é agora, eu não tenho o direito de me sentir traída, como eu estou me sentindo agora, cada uma já sabia que a outra gostava dele, e ela agiu com sinceridade, mas mesmo assim eu estou me sentindo totalmente traída pela minha melhor amiga, e o meu amigo, por quem eu era apaixonada. Mas a vida é assim né? Fazer o que ? :/